“A crise não é hídrica, a crise é fóssil”, diz presidente da Abrapch




Em evento realizado nesta quarta-feira (23), pela Associação Brasileira de PCHs e CGHs (Abrapch), o presidente da instituição, Paulo Arbex, afirmou que o Brasil não tem vivido uma crise hídrica e sim uma crise fóssil. Segundo o presidente, a falta de incentivos para a criação de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) ou Centrais Geradoras Hidráulicas (CGHs) tem levado o país ao cenário atual de encarecimento da energia elétrica. “A gente está preocupado com o discurso de crise hídrica, com o discurso de pseudoespecialistas fomentando esse negócio de ‘crise hídrica’. A crise, na nossa opinião, não é hídrica. O Brasil é a maior potência hídrica do mundo, a crise é fóssil no nosso setor elétrico. São as [energias] fósseis que estão encarecendo a tarifa”, afirmou. A fala aconteceu no painel Modernização do Setor Elétrico Brasileiro.


O uso de energia fóssil tem afetado diretamente o bolso da população. Em 2021 a conta de energia acumulou alta de 114%, segundo dados são da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel). Outro setor que tem sofrido com a falta de incentivos dos órgãos públicos para o setor hidroelétrico, segundo Paulo Arbex, é o agronegócio, grande consumidor de energia e responsável por quase 30% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Ao ter a produção encarecida, o setor se vê obrigado a repassar os custos para o consumidor final, o que resulta, em última instância, no encarecimento da cesta básica no país, que aumentou 48,3% nos últimos três anos.


Uma solução para mudar o cenário é a criação de reservatórios de água e incentivos para o setor de PCHs e CGHs.


O estado do Paraná foi um dos que mais avançaram no licenciamento ambiental de pequenas usinas, com 191 documentos emitidos entre Licença Prévia (LP), Licença de Instalação (LI) e Licença de Operação (LO), para mais de 60 empreendimentos, segundo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). O estado tem potencial para a construção de 162 novas Pequenas Centrais Hidrelétricas ou Centrais Geradoras Hidráulicas. O governador do estado do Paraná, Ratinho Júnior, afirmou durante a abertura do painel que é possível avançar com licenciamento e construção de novas usinas hidrelétricas e que tem trabalhado para implementar PCHs e CGHs.

Para o deputado federal, Lafayete Andrade, a demonização do sistema hidrelétrico é um equívoco e a falta de reservatórios é um dos grandes responsáveis pelos problemas que o país tem enfrentando no setor elétrico. “Nós temos que incentivar [a criação de] reservatórios”, afirmou. Lafayete foi homenageado no evento, por ser um grande incentivador do setor hidrelétrico brasileiro.


Patrocinador platina da Conferência, o presidente do BID Energy, Leandro Parizotto, defendeu o empenho das autoridades para desenvolver o setor. “Tudo isso leva ao ponto de que vai cair no colo do consumidor a tarifa”, ressaltou.


O diretor da ANEEL, Efrain Pereira da Cruz, defendeu a necessidade de modernizar o setor.

Fillipe Henrique Neves Soares, diretor-geral da Copel Mercado Livre, afirmou que os desafios para o setor são muitos. “As PCHs, além de lutarem pela sua inserção na rede de energia energética, encontram novos ambientes para a comercialização de energia”. Ele ressaltou ainda a importância da desburocratização do setor.


No mesmo sentido, Mário Luiz Menel da Cunha, presidente da Associação Brasileira dos Investidores em Autoprodução de Energia Elétrica (Abiape), defendeu a aprovação do Projeto de Lei (PL) 414/21, que aprimora o modelo regulatório e comercial do setor elétrico com vistas à expansão do mercado livre. O PL está em análise na Câmara dos Deputados.


V Conferência Nacional de PCHs e CGHs


A V Conferência Nacional de PCHs e CGHs começou nesta quarta-feira (23) e conta com a presença de alguns dos maiores líderes de mercado e autoridades. Dentre os participantes está o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas de Energia, Paulo César Magalhães Domingues; o deputado federal e relator do novo Código Brasileiro de Energia, Lafayette de Andrada; o diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), Efrain Pereira da Cruz; o presidente do BID Energy, Leandro Parizotto; o diretor interino da Agência Nacional de Águas, Patrick Thomas; o diretor de Licenciamento e Outorga, IAT PR, José Volnei Bisognin; a coordenadora-geral de Articulação Institucional em Meio Ambiente do MME, Rita Alves da Silva; a secretária do Meio Ambiente de Goiás, Andrea Vulcanis; dentre outros. O encontro vai até quinta-feira (24).


Sobre a Abrapch


Organizadora do evento, a Abrapch é uma entidade sem fins lucrativos constituída por apoiadores do aumento sustentável da utilização de geração de energia elétrica no Brasil por meio das fontes hídricas.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square